segunda-feira, 2 de março de 2015

CONTAGEM: CARLIM MOURA - APESAR DO GRANDE APOIO, DESCONHECER O ADVERSÁRIO É UM RISCO

A um ano e sete meses das eleições municipais, o prefeito de Contagem, Carlin Moura, do PCdoB, está praticamente sem oposição. Ele tem o apoio de 28 partidos. Conseguiu a proeza de atrair para a sua base aliada tanto o PT, legenda do seu adversário na campanha, Durval Ângelo, e o inimigo nacional do petismo, o PSDB.

WILL NUNES:

Talvez aí, esteja o grande perigo da reeleição do prefeito, há menos de um ano e meio da eleição ele ainda não conhecer quem será o seu adversário. O fato novo pode supreender!

MINAS GERAIS: OS PARTIDOS QUE ABRAM O OLHO COM O PMDB, A LEGENDA VAI APOSTAR ALTO NA ELEIÇÃO DE 2016

O PMDB de Minas está decidido a deixar o papel de coadjuvante e assumir o protagonismo na eleição municipal de 2016. A reboque do que acontece em nível nacional – onde a sigla ensaia o grito de independência diante do principal aliado, o PT – os peemedebistas mineiros querem deixar para trás a pecha de eternos vices. 
 
Para emplacar a empreitada, pretende convocar figurões da velha guarda para ajudar a dobrar o número de prefeituras sob seu comando. A meta é saltar das atuais 121 para 300, num universo de 853 municípios.

Para emplacar a empreitada, pretende convocar figurões da velha guarda para ajudar a dobrar o número de prefeituras sob seu comando. A meta é saltar das atuais 121 para 300, num universo de 853 municípios.

Liderado pela bancada estadual, o movimento recém-lançado promete esquentar a briga por poder com os petistas. A ideia é lançar candidato próprio em Belo Horizonte, onde o PT também planeja retomar o comando. Os planos dos peemedebistas se estendem ainda às cidades com mais de 50 mil habitantes.
Para o deputado estadual Iran Barbosa, que integra o movimento, o plano é ter um nome próprio, inclusive em todas as cidades da região metropolitana.

O discurso hoje é de “unificar a legenda” e chegar em 2016 sem rachas. Os adeptos do movimento garantem que as brigas do passado, principalmente as envolvendo o deputado federal e ex-presidente do diretório estadual Saraiva Felipe foram superadas – no ano passado, Saraiva Felipe chegou a iniciar conversas com o PSDB para compor uma chapa para disputar o Estado. O movimento provocou um racha na legenda, já que outra ala da sigla defendia a aliança com o PT, que se concretizou com Antônio Andrade eleito vice-governador ao lado de Fernando Pimentel (PT).

Para aumentar a capilaridade em Minas, caciques do partido que hoje não ocupam mais cargos eletivos, mas que dispõem de alto capital eleitoral, estão sendo convocados. Na última semana, a bancada se encontrou com o ex-ministro Hélio Costa. Dias antes, foi a vez de Newton Cardoso ser procurado. Depois de 42 anos na política, Newtão, como é conhecido, deixou a vida pública no ano passado e elegeu o filho Newton Júnior na Câmara Federal. Hoje, ele se dedica aos negócios da família.

Hélio Costa, depois da derrota para Antonio Anastasia, na eleição estadual de 2010, não disputou mais cargo eletivo. Atualmente, é membro do Conselho de Administração da petroleira HRT. “São pessoas importantes, que conhecem muito o Estado e diversos prefeitos. A intenção é reunir o PMDB que ganhou a eleição de 2014 com aquele que já havia perdido outras disputas. Vamos juntos”, diz Iran Barbosa.

O colega de bancada na Assembleia Cabo Júlio destaca que Newtão e Costa “têm musculatura política”. “Eles conhecem muito de política. Queremos que participem da discussão, dos encontros e se envolvam”, diz.


"REFLETIR"

A GLOBO: O MEDO DA VOLTA DO LULA


:
Ainda apontado como a maior liderança política do País e como o melhor presidente da história por 56% dos brasileiros, Luiz Inácio Lula da Silva é a pedra no sapato da direita brasileira; em coluna publicada nesta segunda-feira, o jornalista Ricardo Noblat, abre uma nova frente de combate dos irmãos Marinho, das Organizações Globo, ao projeto petista; a tese é Lula ameaça a democracia; logo ele que, ao contrário de FHC, não mudou as regras eleitorais a seu favor, não tentou um terceiro mandato, respeitou a precedência de Dilma Rousseff em 2014 e apenas vem sendo colocado como pré-candidato em 2018, quando nada o impede de concorrer; no momento em que forças golpistas se movimentam à luz do dia, Noblat diz que Lula está se tornando 'uma forte ameaça à democracia'

LULA  - UM DEMOCRATA:

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pode ser acusado de qualquer coisa, menos de não ter respeitado as regras do jogo democrático.
Ao contrário do antecessor Fernando Henrique Cardoso, que instituiu a reeleição em seu próprio benefício, Lula não mudou uma única regra eleitoral a seu favor.
Em 2010, no auge da popularidade, resistiu às pressões de aliados para que concorresse a um terceiro mandato, a exemplo do que ocorria em outros países da América Latina.
Em 2014, respeito a precedência da presidente Dilma Rousseff e seu direito de concorrer à reeleição.
Agora, nada mais impede que seu nome seja colocado, novamente, como alternativa política à sucessão presidencial em 2018. Afinal, Lula ainda é a maior liderança política do País e foi apontado pela mais recente pesquisa Datafolha como o melhor presidente da história do Brasil, por 56% dos entrevistados.
Com todo esse capital político, Lula é a pedra no sapato da direita brasileira, que busca, desde já, os meios para evitar seu retorno, em 2018.
Caso seja incapaz de derrotá-lo no voto, o caminho talvez seja judicial. Mas a linha do discurso foi colocada nesta segunda-feira por Ricardo Noblat. Em artigo publicado no jornal O Globo, dos irmãos Marinho, ele afirmou que Lula representa 'uma forte ameaça à democracia'.
Por quê? Só porque representa o risco, para a direita brasileira, de que vença no voto, ou seja, dentro das regras democráticas?
No Brasil de hoje, o único risco real à democracia seria a cartelização midiática.

WILL NUNES: O ÓDIO DA DIREITA DE QUEM DEFENDE OS POBRES

Uma ação muito bem orquestrada com o apoio da grande imprensa tenta mobilizar o povo contra a presidente Dilma. É a direita tentando de tudo para inviabilizar o país. É, essa gente que não sabe perder, que derrama o ódio, colocando brasileiros contra brasileiros que quer administrar o Brasil. 

Lendo a história do país, passando por Getúlio Vargas e JK, é possível perceber que o filme se repete. Um pequeno grupo elitizado com o apoio da grande mídia se revolta contra a grande massa popular por   não aceitar a ascensão social dos menos favorecidos.

Que para eles pobre não pode ter carro, casa, perfume importado, viajar de avião, comer picanha, viver a vida de maneira digna e honesta.

Essa classe social minoritária  detentora do poder que não admite  o filho de uma empregada doméstica se formar em medicina, que o filho do pedreiro se torne engenheiro, nem tampouco que alguém da favela um dia vire juiz. 

É, essa mentalidade conservadora e anti-pobres que querem governar a nossa gente de maneira separatista e preconceituosa.

Mais triste ainda é perceber que muitos que pensam hoje assim, vieram da classe dos mais humildes e quando melhoraram de vida também esqueceram suas próprias raízes.

Nada contra os ricos, mas sou contra aqueles que usam da fortuna para tratar os pobres como abastardos, que só soubessem abastardar. Mesmo assim concordo com o filósofo e historiador iluminista francês voltaire:

COPASA PODE COBRAR TARIFA EXTRA

Represa Serra Azul
Vazio. Nível de importantes represas, como Serra Azul, em Juatuba, está muito baixo e pode faltar água para abastecer população


A Copasa definiu ainda para este mês o início da tarifação extra para punir quem não economizar água. Uma fonte da empresa, ligada diretamente à ação, garantiu que a medida deve começar em poucos dias com o objetivo de restringir o uso da água pela população. A regra, segundo a fonte, é não deixar que o consumidor ultrapasse a média de consumo dos últimos 12 meses. A meta do governo mineiro é conseguir com uma série de ações uma redução de 30% da utilização da água da Copasa. Entre janeiro e fevereiro, esse índice teria chegado a 10%

GOVERNO SUSPENDE MINHA CASA, MINHA VIDA


minha casa minha vidaVitrine do governo do PT, o programa Minha Casa Minha Vida ficou praticamente sem contratar novas moradias destinadas à população de baixa renda, onde se concentra o déficit habitacional do país, nos dois primeiros meses de 2015. Apesar da promessa oficial de contratar 350 mil novas habitações até junho, nas três faixas de renda do programa, houve paralisação na contratação da faixa 1, para famílias com renda mensal de até 1,6 mil reais. Para esse público, o governo subsidia até 95% do valor do imóvel.
Desde o ano passado, diante do cenário de restrição fiscal e com folga para bater a meta da segunda etapa, o governo colocou o pé no freio nas contratações do “Minha Casa, Minha Vida”. Em 2014, o total de contratações nas três faixas ficou em cerca de 500 mil unidades habitacionais, praticamente a metade do que foi contratado em 2013 (930 mil).
“Estamos equacionando os fluxos financeiros para dar prosseguimento à transição do programa e fazermos lançamento da terceira fase. Por isso ainda não iniciamos as contratações dessa fase”, afirmou a secretária nacional de Habitação do Ministério das Cidades, Inês Magalhães.
Questionada sobre o impacto do ajuste fiscal do governo Dilma, a secretária respondeu que, embora “até os pires” do Palácio do Planalto saibam da necessidade de enxugamento dos gastos públicos, a austeridade fiscal não impactará o prosseguimento do programa. A presidente disse na semana passada que a terceira fase do programa sai em março.

MUNICÍPIOS :QUEDA NO FPM

fpm1Foi creditado na sexta-feira (27), nas contas das prefeituras brasileiras, o repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) referente ao 3.º decêndio do mês de fevereiro de 2015, que será de R$ 1.698.466.470,72. Este valor é referente ao total descontando a retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Em valores brutos, isto é, incluindo a retenção do Fundeb, o montante é de R$ 2.123.083.088,40.
Em comparação com o terceiro decêndio de fevereiro de 2014, este teve um crescimento expressivo de 14,1%, isso em termos brutos e nominais, sem considerar a inflação. O acumulado dos decêndios de fevereiro soma R$ 8,301 bilhões, enquanto que no mesmo período do ano anterior o acumulado ficou em R$ 9,083 bilhões, porém, em termos reais, teve uma queda de 8,6%.

LISTA TIRA SONO DE POLÍTICOS


asssTem tirado o sono dos políticos o clima de tensão e apreensão com a divulgação da lista dos parlamentares, governadores e ex-governadores supostamente envolvidos na operação Lava Jato, que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, promete liberar até amanhã.
Fala-se em 30 deputados, oito senadores e quatro governadores. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que até então demonstrou desdém pela denúncia do Ministério Público Federal ao STF, agora teme ser citado, segundo tem deixado transparecer nos últimos dias.

PT X PSDB


pt-x-psdbCom a sustentação do segmento da população indignado com o escândalo Petrobras, a oposição fala grosso e estimula protestos de rua contra o governo Dilma. Um deles está sendo convocado nas redes sociais para o dia 15 de março e tem como bandeira o impeachment da presidente.

domingo, 1 de março de 2015

A BELEZA DA LINDA NATAL!!

Praia em Genipabu – Para onde quer que se dirija, o litoral potiguar esconde belos tesouros
Definir o Rio Grande do Norte como um Estado da região Nordeste do Brasil, delimitado pela Paraíba, ao sul, e pelo Ceará, ao norte, com praias e coqueiros, é reduzir por demais um lugar tão marcante. O Rio Grande do Norte é muito mais do que isso. É, sem dúvida, um dos lugares mais belos e singulares do país.

A começar pela sua capital, Natal, considerada dona do ar mais puro das Américas. Poluição é coisa que não existe por lá. O que existe, muito, são flores.
 

O sol brilha o ano inteiro e, apesar da média de temperatura na casa dos 27 graus, a sensação não é de desconforto: uma brisa “teima” em refrescar-nos o tempo todo.

É claro que, em se tratando de Nordeste, não se pode deixar de falar das praias. E como são belas as do Rio Grande do Norte. Em Natal, temos a praia da Mãe Luiza, onde está o belo farol de mesmo nome; a da Ponta Negra, com as imensas dunas do Morro do Careca; perto dali, a Barreira do Inferno, de onde são lançados foguetes e balões meteorológicos. Um pouco mais ao sul, a Ponta do Flamengo, segundo ponto mais próximo da África no Brasil, e as praias de Pirangi do Norte, Pirangi do Sul, Búzios, e a agitada Praia da Pipa.

Para o norte, a grande vedete dos potiguares: as dunas de Genipabu, um complexo com enormes montanhas de areia, lagoas, praias e restingas paradisíacas. Num passeio de bugue, em meio a manobras radicais, você pode se surpreender ao deparar com uma caravana de dromedários ou jegues.
 

Para mergulhar, dois pontos privilegiados: a Lagoa de Pitangui e, mais ao norte, a praia de Maracajaú, com seus arrecifes. Natal e o Rio Grande do Norte são assim: quentes, sem exageros; hospitaleiros; agradáveis; agitados; belos e sedutores.

Conheça tudo sem preconceitos. Aproveite cada minuto. É impossível não se encantar.

Atrativos únicos e imperdíveis
Você sabe qual é o segundo ponto mais oriental das Américas, ou seja, o segundo mais próximo da África? É a Ponta do Flamengo, no município de Parnamirim, no Rio Grande do Norte. E sabe onde fica o maior cajueiro do mundo? Em Pirangi do Norte, também no Rio Grande do Norte.

Portanto, você já tem dois motivos para visitar este Estado, que tem um dos litorais mais bonitos do país, a começar pela Praia de Pipa, uma das mais badaladas do nosso litoral.

A viagem pode começar pela capital potiguar, Natal, uma das cidades com melhor qualidade de vida do país. Natal tem 14 praias: sete ao norte e sete ao sul da cidade. Ao norte, tem a praia de Rendinha. É de lá que as jangadas partem para o alto-mar, trazendo os pescados do dia. Genipabu, a praia de águas mansas e mornas, tem dunas e coqueirais, além de uma lagoa que leva o seu nome. Faça o passeio de bugue pelas dunas imóveis.
 

Ao sul, a praia de Pirangi é um centro de veraneio dos potiguares, com grande infra-estrutura de restaurantes, hotéis e um complexo de lazer náutico. Aproveite para visitar os ‘parrachos’, que é como chamam lá as piscinas naturais formadas por cordões de arrecifes.

Logo depois vem Pipa, uma praia guardada por tartarugas marinhas e golfinhos. Atualmente, é a região mais badalada do Rio Grande do Norte.

MINAS: PREFEITOS NA MIRA DA JUSTIÇA


EDITORIA DE ARTE
Cento e seis prefeitos do interior respondem a processos criminais no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). As acusações são diversas. Vão de irregularidades em licitações públicas, crimes de responsabilidade e desvio de verbas até destruição de patrimônio histórico, além de desobediência de ordem judicial, entre outros.

Os dados fazem parte de relatório exclusivo preparado pela Procuradoria de Combate aos Crimes Praticados por Prefeitos, do Ministério Público Estadual (MPE) em BH, a pedido do Hoje em Dia. Nenhum processo corre em segredo de Justiça.

As ações criminais correspondem ao período de fevereiro de 2013 a janeiro deste ano. Todos os réus estão no exercício do cargo. Como possuem foro privilegiado por prerrogativa de função, cabe aos desembargadores do TJMG decidirem o destino dos políticos. Conforme o relatório da procuradoria, as irregularidades atingem cidades pequenas e grandes.

Em Nova Ponte, município com 14 mil habitantes, o prefeito José Divino (PP) responde a dez processos na segunda instância do Judiciário. Todos eles por fraude em licitação e alienação de imóveis sem amparo legal. Em um deles, Divino é réu acusado de ter executado um “esquema concatenado para dilapidar o patrimônio público” da cidade.

De acordo com a procuradoria, o prefeito negociou imóveis do município a preços subavaliados em até 2000%. Somente numa dessas transações, deu um prejuízo de R$ 890 mil. Segundo a denúncia, uma das compradoras dos imóveis é uma adolescente que, na época, tinha 12 anos. A menina tinha como representante a irmã dela, namorada do filho do prefeito Divino.

Na rica Betim, na região Metropolitana de BH, o prefeito Carlaile Pedrosa (PSDB) enfrenta quatro processos. Em três deles, é acusado de fraudar licitações num esquema denominado pela procuradoria como “jogo de planilha”. Somados, os desvios somam R$ 18,7 milhões.

De acordo com os investigadores, essa tática de direcionamento de contrato funciona da seguinte forma: para sair vitoriosa na concorrência, a empresa apresenta proposta com preços muito abaixo aos praticados no mercado.

Em seguida, no decorrer da execução da obra, são celebrados aditivos com acréscimos sob a justificativa de necessidade de adequação do contrato.

Um dos acordos, no valor de R$ 7,3 milhões, beneficiou uma empreiteira contratada para ampliar e reformar o Centro Administrativo da cidade. Descoberto pela Polícia Federal (PF) no curso da Operação João de Barro, o golpe contou com os mesmos empresários ligados ao esquema que resultou em rombo de R$ 700 milhões de verbas de orçamento do PAC. Os outros dois contratos, de R$ 5,7 milhões cada um, seriam para “atualização do banco de dados” e “limpeza urbana”. Junto com ex-colaboradores, o prefeito responde a outro processo. Dessa vez, por crimes contra as finanças públicas a partir de contratação de operação de crédito.

Apropriação

Primeiro prefeito reeleito em Pouso Alegre, no Sul de Minas, Agnaldo Perugini (PT) é alvo de processo por envolvimento com licitação do tipo “carta marcada”. Perugini responde a processo por fraude em licitação pública e apropriação de bens públicos. Segundo a acusação, o petista direcionou um contrato de R$ 11 milhões para empresa que prometia implantar sinais e fiscalizar o trânsito da cidade. Sem qualquer projeto básico ou estudo técnico, diversos equipamentos, como radares e lombadas de controle de velocidade, foram instalados em locais com reduzida circulação de veículos em “claro abuso e gasto desnecessário de dinheiro público”. Na ação, a procuradoria relata que tal combinação foi feita dentro do gabinete do prefeito.

Farra dos administradores municipais inclui até gastos com recursos de outra cidade

No relatório da Procuradoria de Combate aos Crimes Praticados por Prefeitos consta casos curiosos de prefeitos processados junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

Em seu primeiro mandato, o prefeito de João Monlevade, Teófilo Torres (PSDB), filho do conselheiro do TCE Mauri Torres, é réu acusado de ter se beneficiado de verbas desviadas de outra cidade. Segundo a procuradoria, o então prefeito de Nova Serrana, Paulo Cézar de Freitas (PDT), contratou Teófilo, que é advogado, para prestar assessoria jurídica nas áreas tributária e previdenciária.

O contrato, de R$ 5 mil mensais, durou dois anos e foi feito por inexigibilidade de licitação sob a alegação de que Teófilo oferece serviço singular. Além da contratação direta, a procuradoria sustenta que os serviços advocatícios, na realidade, não foram prestados.

No Triângulo Mineiro, em Iturama, o prefeito Cláudio Burrinho (PSC) é réu por direcionar licitação e superfaturamento em contrato de empresa para realizar o Carnaval.

Burrinho favoreceu a firma de seu apoiador político. Sem concorrência, a empresa abocanhou dois contratos, um de R$ 436 mil, e outro de R$ 550 mil para fazer a festa do Momo. Para inflar o orçamento da folia, bandas de terceiro escalão foram contratadas como se fossem músicos consagrados.

Em Bela Vista de Minas, o prefeito Wilber José de Souza (DEM) é réu por uma questão inusitada: ele gastou dinheiro de outra cidade. Como ocorre a cada ano, a Prefeitura de BH repassou uma quantia relativa à participação dos municípios na partilha do bolo da receita tributária do IPVA. No entanto, de forma equivocada, a capital depositou R$ 919 mil, em vez dos R$ 17 mil devidos. Mesmo após ter sido previamente avisado para não gastar o volume recebido a mais, cerca de R$ 901 mil, o democrata ignorou o alerta da tesouraria da prefeitura e usou a verba. Com o reforço inesperado no caixa, empenhou dinheiro indevidamente para pagar pessoal, custear educação, saúde e “diversos”.

Em Ouro Preto, o prefeito José Leandro Filho (PSDB) é réu por alterar o aspecto da cidade histórica e descumprir ordem judicial. Conforme a denúncia, o gestor determinou a retirada dos paralelepípedos das vias do Distrito de Rodrigo Silva, classificado como zona de proteção especial, e mandou asfaltar o local. No entendimento do procurador que ofereceu a ação judicial, a medida causou grande alteração na paisagem.

Em Juiz de Fora, o prefeito Bruno Siqueira (PMDB) é acusado de crime de responsabilidade. Contrariando decisão judicial, o peemedebista se recusou a determinar a realização de exame de urgência de uma grávida de gêmeos. A mulher, por sua vez, só conseguiu fazer o exame tempos depois, após o MPE exigir o cumprimento da ordem judicial.
 
Nas prefeituras, resposta às acusações apenas por meio de notas das assessorias

Procurados pela reportagem, nenhum prefeito quis dar entrevista. Alguns gestores se posicionaram por meio de nota.

O prefeito de Juiz de Fora, Bruno Siqueira (PMDB), por meio de comunicado preparado pela assessoria de imprensa da prefeitura, contestou a denúncia da procuradoria em BH. De acordo com o peemedebista, o exame da grávida de gêmeos foi realizado a tempo. Para ele, não houve descumprimento da ordem judicial.

A assessoria de Siqueira encaminhou ainda um despacho da promotoria da comarca local informando o arquivamento da investigação na esfera cível. Na área criminal, porém, o prefeito permanece na condição de réu.

Também por meio de nota, a Prefeitura de Betim fez a seguinte consideração: “os referidos processos são de caráter pessoal contra o prefeito Carlaile Pedrosa e estão sendo amplamente defendidos na esfera judicial por advogados contratados particularmente. Em razão disso, não é da competência da Procuradoria Geral do Município tecer considerações”.

Já o prefeito de Ouro Preto, José Leandro Filho (PSDB), por meio de nota da assessoria de imprensa, informou que “processos envolvendo agentes políticos não fazem parte do rol de informações institucionais, razão pela qual descabe à Assessoria de Comunicação da Prefeitura pronunciar-se à respeito”.

Os prefeitos de João Monlevade, Pouso Alegre, Iturama, Bela Vista de Minas e Nova Ponte foram insistentemente procurados durante a semana pelo Hoje em Dia. Os gestores, no entanto, não atenderam aos pedidos de entrevista encaminhados por telefone e e-mail.

A reportagem procurou ainda o TCE para saber se o conselheiro Mauri Torres, pai do prefeito de João Monlevade, Teófilo Torres, queria se posicionar, mas também não obteve resposta. 


MINAS GERAIS: 2 MESES DE FERNANDO PIMENTEL


URUGUAI: PRESIDENTE DEIXA O PODER DE FUSCA